Header Ads

AGAPE

Mãe de criança do Maranhão morta em Patos também foi detida e conheceu padrasto em um aplicativo de relacionamento


A cada instante surgem mais informações sobre o caso que chocou a cidade de Patos, no interior da Paraíba, pela brutalidade empregada na morte da garota de apenas 4 anos de idade, Ketyli Kawane Borges de Sousa, morta por espancamento no começo da tarde desta segunda-feira, 05/10, na Rua Pedro Moura, no bairro Sete Casas, em Patos.


O crime cujo suspeito principal é o padrasto, Geraldo Júnior dos Santos, idade não informada, ainda necessita de mais esclarecimentos por parte da polícia que está investigando o caso.

Até o momento, não há mais informações do que teria levado a tamanha brutalidade empregada com requintes de crueldade morta a socos e jogada contra a parede. A criança morreu no local e não deu tempo ser atendida pelo SAMU 192 que ainda chegou a tentar reanimar a vítima, mas sem sucesso.

Apesar do suspeito da morte ser Geraldo, a mãe da criança, Jéssica Borges de Sousa, de 21 anos, também foi detida por não impedir que sua filha fosse espancada e morta.

De acordo com informações dos vizinhos, Geraldo é daqui da cidade de Patos, mas a mãe morava na cidade de Santa Luzia do Maranhão e veio para cá recentemente morar com Geraldo. Eles se conheceram através de um aplicativo de relacionamento na internet.

Os vizinhos se revoltaram e procuraram o culpado que localizado nas proximidades já em fuga.

Após isso, a população ao tomar conhecimento do ocorrido promoveu linchamento do acusado, no entanto, ele foi resgatado a tempo e levado com diversos ferimentos para o Hospital Regional de Patos sob custódia da Polícia Militar que fez a prisão em flagrante. O estado de saúde não foi divulgado.

Ele só não foi linchado pelos moradores do bairro porque outros moradores ligaram para a polícia, que chegou a tempo de intervir e evitar o linchamento.

O corpo da pequena Ketyli Kawane que fez três anos de idade no dia 19 de setembro, foi levado para autopsia no IML de Patos.

As autoridades vão entrar em contato com a família da criança no Maranhão, para que o corpo possa ser liberado para traslado, velório e sepultamento.

 

Portal 40 Graus

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.